Qual a diferença entre tartaruga, jabuti e cágado?
abr03

Qual a diferença entre tartaruga, jabuti e cágado?

Embora pertençam à mesma ordem dos quelônios, estes animais possuem diferenças que vão desde a aparência física até o habita   Não é porque um animal possui quatro patas, pescoço longo e uma casca gigantesca sobre seu corpo que podemos chamá-lo de tartaruga. O fato de jabutis, cágados e tartarugas terem todos aparências semelhantes se justifica por pertencerem à mesma ordem do reino animal – os testudinata, mais conhecidos como quelônios. Porém, são várias diferenças presentes nas características desses répteis que os fazem pertencer a famílias distintas. Confira:   Tartaruga versus jabuti versus cágado   Tartarugas Seu habitat é aquático, podendo ser marinho ou de água doce. Ao contrário dos outros quelônios, esses répteis só vão para o ambiente terrestre para desovar. Além disso, suas patas são como remos para auxiliar na hora da natação e sua alimentação varia entre peixes, águas-vivas, esponjas e camarões. Elas possuem um casco mais alto que o dos cágados e não dobram o pescoço lateralmente ao recolhê-lo para dentro.   Jabutis Estes répteis são exclusivamente terrestres, possuindo patas em formas cilíndricas – lembrando a dos elefantes – e casco extremamente alto, sem características hidrodinâmicas. Sua alimentação baseia-se em frutas, verduras e carnes, caracterizando-se como onívoro. Outro item importante é sobre seu pescoço, o qual é retraído apenas verticalmente.   Cágados Considerados semiaquáticos, estes animais possuem membranas interdigitais, as quais facilitam a sua natação, e unhas presentes nas patas para auxiliar na locomoção terrestre. Quanto à alimentação, a ingestão se dá principalmente com peixes e crustáceos. Além disso, seu pescoço possui a capacidade de dobrar-se lateralmente.   Longevidade dos quelônios São os jabutis que englobam as espécies terrestres às quais atribuímos a vida longa. Tartarugas e cágados possuem médias de longevidade mais baixas, porém, extremamente altas quando comparadas aos outros animais. A expectativa de vida dos jabutis se mantém entre os 80 e 100 anos, porém, encontramos vários casos de indivíduos que passaram do centenário com facilidade. Isto ocorre devido ao seu metabolismo extremamente lento. Estudos comprovam que, quanto menor o metabolismo do ser vivo, maior tende a ser sua expectativa de vida. Além disso, estes animais possuem, em geral, sangue frio, ou seja, não produzem energia em excesso, apenas o necessário para sua sobrevivência. Somando-se a tudo isto, muitas espécies passam por um período sazonal parecido com a hibernação e utilizam ainda menos energia para permanecerem vivas. Quando avaliadas todas essas características, entendemos o porquê desses répteis alcançarem os 100 anos com tranquilidade.   É possível ter uma tartaruga de estimação? Sim! Estes animais são passíveis da convivência doméstica. A espécie mais indicada são os jabutis por não haver necessidade de contato constante...

Leia mais
Qual aquário comprar?
fev19

Qual aquário comprar?

Além do material do aquário, é preciso saber a quantidade e os tipos de peixes que deseja ter Muito se acredita que escolher um aquário é uma tarefa simples, afinal, são todos iguais, certo? Errado! Além de possuírem dois tipos de materiais comuns em sua fabricação, vidro e acrílico, o recipiente precisa estar de acordo com os animais que lá viverão. Os de vidro são mais comuns devido à estética. Já os de acrílico, apesar de possuírem um preço final elevado, são mais fáceis de riscar, porém distorcem menos do que os de vidro. Preciso de um aquário! A escolha de um aquário, como falamos, envolve diversos fatores. A seleção do tamanho, principalmente, deve ter relação com a quantidade e os tipos de peixe que você pretende ter. Além disso, o espaço em que o recipiente ficará e a disponibilidade financeira também devem ser levados em consideração. Uma das principais dicas é, para começar, adquirir um aquário de, no mínimo, 50 litros. Vale lembrar que, quanto maior o porte, mais estável ele será devido ao maior volume de água. Outra característica importante é, sempre, optar por aquários com um bom comprimento e largura. A altura pode variar de acordo com o hábito do animal. O mais interessante é ter de 30 cm a 40 cm de altura, variando de acordo com o comprimento do recipiente. Atente-se também à sua forma. Prefira sempre os formatos retangulares, cubicos, curvos ou sextravados. Os ambientes fora deste padrão, como o comum aquário globo, em forma de bola, não são recomendados e devem ser evitados porque diminui a mobilidade do peixe. O que analisar sobre os peixes? Saber previamente quais são os peixes pretendidos para o seu aquário é primordial. É importante pesquisar em qual região do ambiente eles costumam ficar, seu tamanho quando adulto e se ficam melhor em cardume ou sozinhos. Os tipos de aquários Basicamente, você pode escolher entre três tipos levando em consideração o teor da água: doce, salobra e salgada. No entanto, existem outras categorias de aquário de acordo com as espécies de peixe que você pretende ter. Conheça: Comunitário Esse tipo de aquário é indicado para a criação de uma ou mais espécies diferentes. Junto com os animais, você pode criar plantas de inúmeras partes do mundo. Não se esqueça de que, embora o aquário seja indicado para várias espécies, ele deve ser compatível com cada exigência dos animais. Peixe jumbo Como o próprio nome sugere, esse tipo de aquário é indicado para peixes de médio a grande porte. Em geral, possuem de 300L para mais. É válido pesquisar muito bem sobre as espécies que colocará junto, pois...

Leia mais
Como prevenir a leishmaniose canina?
dez21

Como prevenir a leishmaniose canina?

Saber como deixar seu animal livre da leishmaniose canina é um passo importante para cuidar de sua saúde. Entenda. Durante todo o mês de dezembro, nós falamos tudo sobre a leishmaniose canina. Você já sabe o que é de fato essa doença, quais são as causas e como é feito o diagnóstico. Agora chegou a hora de saber o que fazer para prevenir o animal contra a doença! A leishmaniose canina é uma doença endêmica que, em casos mais graves, pode ser fatal. Dessa forma, saber como proteger o seu pet da doença, é um passo importante para cuidar muito bem de sua saúde. Leishmaniose canina? Aqui não! Existem algumas formas de prevenir que o seu pet seja acometido com essaenfermidade. É claro que nenhum método garante totalmente que o animal não irá contrair a doença. Porém, auxilia a diminuir os riscos e proporcionar uma vida mais saudável ao animal. Mantenha o ambiente sempre limpo A higiene é uma das principais formas de prevenção e proliferação de mosquitos. Como o parasita adora ambientes ricos em matéria orgânica, é essencial manter o ambiente onde o animal vive sempre higienizado. Também vale a pena prestar atenção à limpeza geral de sua residência, pois eliminando qualquer possível local para a proliferação do mosquito, você deixará seu cãozinho mais seguro. Telas de proteção: Existem algumas telas de proteção que são extremamente finas e impedem que o mosquito entre e contamine o animal. É claro que essa medida é muito simples e talvez a menos eficiente, mas é uma boa forma para evitar o risco e ainda proporcionar segurança ao animal. Lembre-se, não estamos falando das grandes tradicionais e mais grossas, utilizadas geralmente em apartamentos, mas sim daquelas telas próprias para evitar que os mosquitos entrem no local. Coleira repelente ou solução repelente A coleira repelente é uma ótima forma de sair com o seu animal para passear e evitar riscos de contato com o mosquito. Isso porque a coleira impede que o mosquito entre em contato com o cachorro. Ela funciona mais ou menos como os próprios repelentes, mas possui ação ainda mais forte. Além da coleira, a solução repelente também pode ser usada sob o pelo do animal, com o mesmo objetivo da coleira, proporcionando um passeio seguro e tranquilo ao animal. Vacina: A forma mais eficaz contra a leishmaniose canina é a vacinação. Ela pode ser aplicada em filhotes acima dos 4 meses de idade e é administrada em três doses, com intervalo de 21 dias entre elas, além de ser necessária a repetição todos os anos. Contudo, vale ressaltar que somente os animais que não possuem a doença podem tomar...

Leia mais
Por que os cães lambem os donos?
nov27

Por que os cães lambem os donos?

Você já deve ter se perguntado por que seu cachorro te lambe, não é mesmo? Não, você não tem gosto de carne ou se parece com um sorvete…a resposta é um pouco mais complexa. Lambidas de afeto Assim que nascem, os cães já se deparam com lambidas, isso por que a mamãe precisa limpar seus filhotes quando nascem, e as lambidas também ajudam na respiração e aquecimento dos recém nascidos. Quando os cães já estão mais grandinhos começam as brincadeiras com os irmãozinhos, e então as lambidas estão presentes mais uma vez, agora em forma de brincadeiras e afeto. Sim! Seu cachorro te lambe por que te ama! Os cães aprendem desde pequenos que lamber é uma forma de demonstrar carinho, então por que não lamber seus donos? Mas se as lambidas são em excesso isso pode ser um problema, pois podem ser desagradáveis para algumas pessoas. Mas e se meu cachorro não para de lamber? Se seu cachorro percebe que ao te lamber ele consegue chamar a sua atenção, isso pode ser um problema, pois ele vai usar isso a seu favor sempre que quiser atenção. E o problema pode ser maior ainda quando ele para de lamber você e começa a lamber a si mesmo, podendo causar feridas e problemas de pele. Então fique atento ao comportamento do seu cão e qualquer dúvida consulte um médico veterinário.   Conta pra gente se você gosta de receber umas lambidinhas de carinho? Deixe seu comentário...

Leia mais
Nossa colunista Dra. Jacqueline Felippetto no jornal “A Tribuna”
out05

Nossa colunista Dra. Jacqueline Felippetto no jornal “A Tribuna”

Nossa colunista Dra. Jacqueline Felippetto escreveu sobre gatos para o jornal “A Tribuna”! Segundo a Dra. Jacqueline “O número de residências com felinos no Brasil está aumentando bastante. Segundo pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), já batem a casa dos 22 milhões (são 52 milhões com cães)”, ou seja: um amor crescente! Ela ainda falou sobre a má fama dos gatos: “Por serem animais misteriosos, foram rotulados de maneira preconceituosa e injusta. Por isso, quanto mais informação, menos mistificação” E algumas curiosidades: “Interessante é saber que o focinho funciona como suas impressões digitais, pois não existem dois iguais”. Veja a matéria completa clicando...

Leia mais
4 passos para escolher o cachorro ideal!
out03

4 passos para escolher o cachorro ideal!

Você está pensando em adquirir um cachorrinho para fazer parte da família? É muito importante pensar a respeito antes, para escolher um cachorro ideal, que se adapte bem a família e todos sejam felizes! Siga os 4 passos abaixo para não ter erro na hora da escolha do cachorro ideal: 1º Passo Preste atenção na sua rotina! Você terá tempo para cuidar, educar e dar atenção para seu cachorro? Quantas horas por dia você deixaria o bichinho sozinho? 2º Passo Pense no espaço que você tem hoje, é grande? Pequeno? Pretende ficar nessa residência por quantos anos? Observe qual o nível de energia do cachorro que pretende adquirir, alguns cachorros não se adaptam a espaços pequenos, como apartamentos. Lembre-se que cachorros vivem em média 15 anos! 3º Passo Pense nos custos, ter um cachorro não é barato! Quanto você tem disponível hoje para gastar com o animal? Se você adquirir um filhote, os 6 primeiros meses são os mais custosos! Veterinário, vacinas, medicamentos, ração, higiene. 4º Passo Pense no nível de atividade física que você está disposto a incluir na sua vida! Algumas raças precisam gastar mais energia do que outras, esteja atento a isso! Se você seguiu os 4 passos, com certeza terá um amigo fiel em sua vida, e garantimos que é muito bom ter um cachorro! Para saber as dicas completas para escolher o cachorro ideal assista ao vídeo abaixo:   Gostou? Então compartilhe, ou deixe seu comentário! Clique aqui e se inscreva no canal do youtube do Amigo Fiel Adestramento para assistir mais...

Leia mais
Desenvolvido por